Cirurgia Plástica – Riscos, cuidados e dicas


equipe-de-cirurgiaHouve um tempo em que apenas as pessoas com muito dinheiro podiam fazer cirurgia plástica. Com o tempo, não só a elite pode como também a classe média. Isso porque, se no passado uma cirurgia plástica custava o equivalente a um carro popular e tinha várias contra-indicações e pós-operatório complicadíssimo, hoje a medicina avançou bastante. O que mudou com o tempo não foi apenas o procedimento cirúrgico, mas a possibilidade de fazer cirurgia plástica em até 24 vezes incluindo incluindo o anestesista, internação e pós-operatório. O problema é que, assim como abordei numa proposta de redação com meus alunos de ensino médio, a popularização levou ao surgimento de aproveitadores que se passam por cirurgiões e cometem erros crassos que levam, muitas vezes, à morte da paciente. 

É preciso, claro, que as mulheres (e agora os homens) se preocupem mais consigo mesmos. Por causa dos preços mais baixos, qualquer “defeito” encontrado ou mesmo um quilo a mais no peso já é motivo para um procedimento. Não se entende que uma cirurgia plástica das mais simples é um procedimento cirúrgico como qualquer outro e está sujeito, inclusive, a infecções hospitalares. O conselho para mulheres que farão uma cirurgia plástica é consultar, no mínimo, três profissionais para ouvir suas opiniões sobre o procedimento bem como saber a formação e experiência do médico. Cá entre nós, não é uma simples limpeza de pele e quanto mais segura a mulher estiver para realizar o procedimento, mais tranquila será a realização do mesmo.

 

O excesso de cirurgias plásticas traz riscos

Certamente, o problema de fazer cirurgias plásticas em excesso é que a pessoa perde a identidade. Há quem diga que fazer cirurgias plásticas é um vício. Conhecemos diversos exemplos de personagens que, por desejar fazer uma cirurgia atrás da outra, acabam ficando deformadas. Lembro-me, por exemplo, do caso de uma artista global que procurou o cirurgião plástico Ivo Pitangui para fazer um procedimento cirúrgico, porém ele aconselhou que, se fizesse mais uma cirurgia, não ficaria natural. Ele se recusou a fazer, a artista procurou um outro cirurgião que, como afirmara o renomado cirurgião citado anteriormente, fez com que a artista ficasse com uma aparência nada natural.  Outro exemplo é o da americana Jocelyn Wildenstein. Vejam a evolução [ou seria involução] dela ao longo das muitas cirurgias que fez.

Jocelyn Wildenstein na infânciaJocelyn Wildenstein na adolescência

as2as3

as4as5

as6as7

as8as9

as10as11

as12as13

as15as16


Nenhum comentário :

Postar um comentário